Primeiras impressões da maior pequena cidade do mundo.

Eu cheguei em Reno já faz uma semana! Uma semana sem ver meus pais (estou sem notebook), sem dormir na mesma cama que que dormia desde muito tempo atrás, etc.

Eu indo pra minha primeira viajem pra um pais fora do Mercosul sozinho.
Eu indo pra minha primeira viajem pra um pais fora do Mercosul sozinho.

Tem sido muito bom esse tempo de mudanças por inúmeras razões, mas vamos regredir um pouco e falar da viajem. Porque ate agora poucas pessoas sabem como realmente e entrar no USA sozinho. Da medo, ou ansiedade, o que pode ser a mesma coisa.
Eu viajei de Curitiba ate São Paulo por uma companhia e o resto da viajem por outra, o que já me deu uns três tipos de frio na barriga diferente quando despachei minha bagagem em Curitiba. Sim eu tinha medo de o ticket que eu comprei na internet ser fria, ou de minha mala ser deixada pra trás em São Paulo e eu chegar em Reno sem bagagem. Aí é a coisa de apresentar meus documentos na “port of entry” que foi Dalas. O avião chegou 15 minutos antes de abrir o guichê, ou seja 15 minutos que passaram lentamente com o avião parado. E foi a imigração, TODO o meu avião era de brasileiros, ou seja a fila de não residentes tava bastante grande. Eu não declarei nada no form de entrada, o cara perguntou o que eu ia fazer, onde eu ia estudar – sem pegadinha nem nada – respondi ele e sai dali com meu passaporte carimbado.

Eu juro que trouxe um mala pequena!
Eu juro que trouxe um mala pequena!

OK, passei lá e fiquei nesse aeroporto 3 horas sem muito o que fazer, o que só aumenta a ansiedade. Um detalhe é que o aeroporto de Dalas é gigante, tem até trem entre os terminais. E quando eu cheguei no meu portão, era em outro terminal. Lá fui eu dar a volta no aeroporto inteiro. Gracas a Deus essa foi a única zica que deu na viagem, fora meu estomago quase não suportando, é claro. Em Dalas encontrei alguns brasileiros, mas acabei me desencontrando no voo. E finalmente eu cheguei em Reno, onde tinham pessoas me esperando pra me trazer pra universidade.
E aqui eu fui muito bem recebido. Até assusta um pouco ver pessoas que nunca me viram e me receberam muito bem. A universidade tem UMA brasileira trabalhando e ela tem corrido atrás de muita coisa pra ajudar os intercambistas do Ciências sem Fronteiras aqui.

Eu tava quase assim pela forma como fui recebido aqui na universidade!
Eu tava quase assim pela forma como fui recebido aqui na universidade!

Por agora só esse resumão, mais tarde nessa semana vai rolar um post com fotos aqui da cidade (sim, a universidade empresta câmeras DSLR’s pros alunos sem custo algum).

See ya!

Good Bye!
Good Bye!

PS: Por favor relevem qualquer erro de português ou acentuação incorreta, estou usando um computador publico da universidade que não tem suporte a língua portuguesa.

Published by

Max

Responsável por essa bagaça, aquele que teve a ideia de que ter um blog seria legal. Escreve sobre o que vem na cabeça, as vezes sobre o que sobressai nas redes sociais também.