Sobre ser branco (e entender que tenho privilégios por isso)

Então o Macklemore fez uma continuação pra musica White Privilege. Citou algumas pessoas que não curtiram tanto. Eu fiquei me questionando (tal qual ele faz na música) como eu posso me colocar em toda essa questão, se é ok eu gritar junto que #BlackLivesMatter e #ICantBreathe. Ou se o meu silencio pode ser considerado omissão e concordância com os crimes raciais ocorridos em Ferguson e NYC.

Mas eu sei que de uma coisa eu posso falar, e é o tal do privilégio de ser branco. Se existe um crime violento, eu tenho a possibilidade de ser ou a vitima ou o herói; não existe uma nuvem de julgamento sobre a minha cabeça apontando a mim como o bandido. Pra que eu seja considerado o bandido a presunção de inocencia é parte do processo, e eu vou ser julgado como alguém deveria ser. Ninguém vai pressupor que eu possa ser o prepetuador daquele ato, apenas pela minha aparencia. Nenhum policial vai me parar na rua, e perguntar como eu fiz pra pagar pelo meu celular ou perguntar o que eu estou fazendo naquele dia.

Eu posso fazer encontros no shopping de vários amigos, inclusive fizemos já varias vezes, sem ser considerado incomodo. Eu posso entrar em shopping vestindo bermuda, camiseta e chinelo; sem ser considerado suspeito; e também já fiz isso diversas vezes. Segundo alguns eu posso até crescer pés de maconha, e falar sobre isso publicamente; sem ser sequer reprendido por isso.

Não digo que não tive que lutar pelo meu lugar ao sol, ou que tudo veio num prato de prata pra mim. Mas também entendo que na “corrida da vida” eu saí bem na frente de muita gente.

Eu sou branco, homem, hetero, cis-genero, cristão, ~bom cidadão~, tenho ensino superior (incompleto), frequentei o melhor ensino médio que a cidade de Curitiba tem a oferecer, tenho uma casa, tenho meus dois pais em casa, nunca passei fome, nunca dormi no sereno (ao menos tive a opção de não faze-lo).

E a pergunta que fica ao final é o que eu posso fazer?

Published by

Max

Responsável por essa bagaça, aquele que teve a ideia de que ter um blog seria legal. Escreve sobre o que vem na cabeça, as vezes sobre o que sobressai nas redes sociais também.